Cidadãos podem regularizar os processos no caso de registos destruídos pela guerra